apenas eu.

Minha foto
"Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm." (1 Coríntios 10:23a)

transeuntes.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Não é de se estranhar.

Comentário: Quantas vezes você viu uma gorda em capa de revista?

Conte nos dedos. Quantas vezes você já viu uma pessoa gorda em uma capa de revista? Agora, conte de novo. Quantas vezes você viu uma pessoa negra? E quantas vezes você viu alguém negro e gordo? E uma mulher negra, gorda e considerada feia? Pouquíssimas. Talvez nenhuma.
No momento, a polêmica é a capa da "Elle", que estampa a atriz Gabourey Sidibe, do filme "Preciosa". A moça está em uma pose fora da habitual da "Elle". Em geral, as moças aparecem de corpo inteiro. No caso de Gabourey Sidibe, só podemos ver seu rosto. O pior: a revista está sendo acusada de ter clareado o a pele da atriz! Assustados? É para ficar mesmo. Mas isso está longe de ser inesperado no mundo das celebridades e das revistas.
Esse é um mundo onde dar capa para uma pessoa negra, ainda é exceção. E onde ver uma mulher gorda com o mesmo destaque é praticamente um milagre. Pense de novo: quantas mulheres gordas você já viu na capa de revistas de moda? Nenhuma?
Existem alguns "milagres". A cantora Beth Ditto causou furor ano passado ao posar nua para a revista moderninha inglesa "Love". Beth já furou muitas barreiras, já que também foi capa (também nua) da revista de música "NME". Bem, não era para ser considerado um feito e tanto uma cantora de talento, de uma banda badalada como a dela, o Gossip, ir parar em uma revista de música, não é? Mas o triste é que, como Beth é gorda, isso vira uma atitude "revolucionária".
Ver mulheres negras em capa de revista é mais comum do que ver gordas. Mas também é algo que ainda vira noticia. Como aconteceu quando Beyoncé esteve na "Vogue". E a capa da primeira dama dos EUA Michelle Obama para a mesma "Vogue" causou comoção. Não só por ela ser primeira dama dos EUA, mas também por ela ser negra. Michelle já estampou várias capas de revista. Vale lembrar que ela é linda, elegante. E, claro, magra.
As moças que estampam as capas das revistas, principalmente as de moda, continuam sendo muito magras. E também muito jovens. E essa ditadura não parece que vai acabar assim, tão cedo. A atriz de "Preciosa", só por chegar até a "Elle", já pode ser considerada uma heroína. Claro, a gente pode torcer pelo dia em que ela sairá com o mesmo tratamento dado para as outras atrizes e fazer barulho para que isso aconteça. Mas tudo indica que esse tempo ainda vai demorar. O que é triste.

NINA LEMOS
COLUNISTA DA FOLHA
(http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/800922-comentario-quantas-vezes-voce-viu-uma-gorda-em-capa-de-revista.shtml)

4 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

O preconceito é algo que tem que ser combatido com atitude. Essa capa da Elle foi algo inesperadamente encorajador e deveriam levar isso como exemplo.

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

Camilla Aloyá disse...

Descordo um pouco das palavras usadas pela colunista, a questão vai bem além do que ela chama de "milagre" e talvez essa não seria a melhor palavra a ser usada ou então ela escrever que a a atriz "é feia e gorda", mas achei interessante colocar o texto na integra sem cortar nenhum trecho para que as pessoas sintam como é tratada a tal da questão racial, o que não diferencia em nada daqui do Brasil, talvez aqui a questão ainda seja mais acentuada.

Janaína Ferreira disse...

Daí, quem vê essa capa da Elle chega a pensar que "as coisas estão melhorando" pra gente. =/

Poupée Amélie™ disse...

Que linda capa! O filme "Preciosa" é lindo e comovente, embora très triste.
BjO*