apenas eu.

Minha foto
"Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm." (1 Coríntios 10:23a)

transeuntes.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Bola de Neve Church.

Bem sabia eu que o ser humano é limitado, sempre soube disso a contar pelas pequenezas que afastam pessoas por puro pré-conceito, que excluem, que mágoam e traumatizam vidas.

Enfim, eu estou indo na Igreja Bola de Neve Church, acho que muitos de vocês conhecem. Eu mesmo recriminei a igreja muitas vezes, pura ignorância a minha. Uma igreja descontraida no quesito vestimentas e com olhar voltado a esportes e tudo que seja saudável (afinal de contas é preciso muito mais que a palavra de Deus para chamar a atenção dos jovens na contemporaneidade) mas tão rígida quanto as outras no quesito andar na lei de Deus.

Escuto perguntas como: Você virou crente? Virou noviça? Mas você não ia ao candomblé? Tem coisa errada aí! E todas as perguntas e/ou afirmações por mais que sejam de pessoas que conheço há muitos anos, inconscientemente são preconceituosas e irônicas. Tento explicar que pela limitação e valores impostos nós somos muitos limitados a ponto de não entender que não estou emcima do muro e que a diversidade é quem traz essas dúvidas de certo e errado. Eu sou batizada nas águas pela igreja evangélica pentecostal já há alguns anos, fui nascida e criada no berço de uma familia evangélica tradicional. Por que não posso acreditar em mais de uma coisa ao mesmo tempo desde que o objetivo dessas coisas seja um só: o encontro com a força divina - DEUS.

Do mesmo jeito que fui discriminada quando fui para o terreiro, serei agora ao ir para igreja. Não deixei de acreditar em muitas coisas relacionadas ao espiritismo (no entanto deixei de acreditar firmemente em outras) e serei cobrada por isso pelas próprias pessoas do terreio bom como pelas que estão na igreja, me nego a negar minha cultura e minha ancestralidade, nunca posso me esquecer que foi lá que eu comecei a me ver enquanto sendo partícula de Deus, foi lá que comecei a ver meu corpo como templo sagrado, foi lá que dei valor a minha vida. E aí pode me perguntar: se foi tudo isso porque saiu? Saí porque vi o capitalismo de maneira feia, envolto na espiritualidade, eu não estava lá por dinheiro mas apenas simples e puramente para cuidar da minha orixalidade e espiritualidade.

Dessa forma, não quero e nem vou me alienar, acredito que ao fim todas as religiões vão se fundir em uma só, pela fé e a bem do Espírito Santo de Deus e de seu filho Jesus Cristo. Sou questionadora por natureza, minha ideologia e visão de mundo permanecem intactas. Sempre fui dialética dentro do terreiro e com a igreja evangélica não é diferente. Tenho meus receios sobre pessoas (afinal são carnais como eu e tão pecadoras quanto), tenho receio de como essas pessoas passam a palavra de Deus para outras fiés sem mentir ou manipular, tenho receios quanto a própria biblia e por aí vai.

Estou sem fumar e sem beber, não está sendo fácil, é uma luta diária e constante, fumo desde os 14 anos de idade e nunca parei, dessa vez determinei na minha vida que os vícios serão extinguidos. E não só porque estou indo à igreja (que fique claro, religião nenhuma permite o uso de drogas) e sim porque realmente faz super mal para a saúde.

Acredito que independente de onde vamos, o importante é cuidar da nossa espiritualidade, afastar os pensamentos negativos, forças obscuras que se aproximem de nós tendo Deus presente em nossa vida e em nosso coração, renovando nossas energias e forças para enfrentar esse mundão louco. Devemos cumprir os mandamentos que definem todos os outros: amar a Deus e ao próximo a partir disso já estaremos fazendo muito para obter nossa evolução espiritual e salvação.

7 comentários:

Anônimo disse...

Danilo:
tem trechos que vc escreveu pra mim

Camilla:
não! tem trechos que vc me perguntou um dia quando conversavamos eu te respondi e acho que são dúvidas de muitas pessoas, vc me ajudou e está me ajudando a construir uma verdade, a minha verdade, a tese da minha vida religiosa

GIL ROSZA disse...

É como eu disse dia desses; acho que mais importante que ser “verde” ou “amarelo” ou "sem cor" é saber porquê é ou se tornou e aderir a isso de modo individualmente consciente. É perda de tempo achar que se pode agradar a todos. :)

Jana disse...

Neguinha, acabei de ler seu post sobre a igreja. Fico feliz daqui em perceber que esse trilhar te faz bem. Deixo meu carinho. Bjs
Jana

Suelen Bastos disse...

olha, torço pela sua espiritualidade. assim como você, fui criada em berço evangélico. mas, na minha pré - adolescência meio que me desviei. não entrei em nenhuma religião pelo temor a Deus e acreditar no evangelho(verdadeiro, não o que se banalizou mundo a fora com comércio de bênçãos) como unica religião que segue fielmente o desejo de Deus. mas respeito quem pense ao contrário. tb nunca fiz muitas besteiras pois meus pais sempre me prenderam demais (não só pela religião, devem ser meio sadistas tb rsrs. agora, voltei ao evangelho por amor. não por meus pais me obrigarem a ir a igreja mas por vontade de seguir a Deus mesmo. e me sinto muito feliz com isso, e muito realizada, espero que com você seja igual xD

Didi. disse...

Vá vivendo, vá crescendo e deixa o povo falar. Preconceito ficou pra gente pequena..já diria Petrônio ''em mentes descerebradas não se pode falar sensatamente''

Camilla Dias disse...

Ando escutando muito comentários irônicos, tiraçãozinha de sarro como quem não quer nada mas prefiro nem dar bola pra não brigar, estou em paz e essa paz é ótima, é de fazer inveja a quem não a tem, se as pessoas soubessem!
E não tô dando ligância ao que as outras pessoas dizem, felizmente sou bem resolvida nas minhas deciões. Basta apenas que as pessoas saibam que não mudei em essência, apenas me afastei do que me faz mal e me rendi ao Espírito Santo de Deus.

Nina Souza disse...

Eu acho muito legal quando encontramos nosso caminho, seja em qual religião for. Porque, no final, todos os caminhos levam a casa do Pai. :)
beijo grande! muita luz!