apenas eu.

Minha foto
"Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm." (1 Coríntios 10:23a)

transeuntes.

domingo, 2 de janeiro de 2011

É de 7 em 7 anos que tudo acontece.

Ontem eu e Danilo passamos a virada do ano comendo pizza vegetariana com os irmãozinhos e amigos rastas, sem um mínimo de hipocrisia com relação aos abraços dados a 24h00 ou qualquer outro tipo de superstição, mesmo por que eles acreditam que a data seja pura heresia por questão ideológica-espiritual.

Conversando com o Gil ontem no msn, tive que interroper nossa conversa porque se não fossemos almoçar todos na mesa como manda a tradição o sogrinho teria um outro infarto, um conservadorismo tremendo mas necessária a reunião de família "ainda mais agora que sou nora" como o amigo Gil escreveu. São os papéis que temos que assumir nas relações sociais, existem coisas que não temos como abster da vida e muito menos das pessoas, valores conservadores ou libertários em demasia, a gente vai se adaptando como dá. Importante ser "moldável" essa foi a palavra usada durante a conversa.

Ainda quando era estagiária, conversando sobre a vida, uma Assistente Social bem realista e uma das mais críticas que já conheci (em todos os aspectos: profissional, pessoal, espiritual e até sentimental) me disse sobre haver uma mudança na vida das pessoas de 07 em 07 anos, não me lembro do desígnio/conceito da teoria mas sempre achei bem relevante essa idéia de mudança e comecei a relativizar com os anos da minha vida.

Relembro da conversa e revejo os anos como mesmo sendo transformadores. Com 14 anos eu perdi a virgindade e fumei meu primeiro baseado dando assim vasão para o uso de outras substâncias. Com 21 anos dei a luz a minha primeira e única filha, entrei para a universidade e me batizei nas águas. Hoje com 28 anos conheci o homem que futuramente será meu esposo, parei de fumar e evoluo espiritualmente aceitando a minha verdade. Coincidência? Não sei, mas essa é a história da minha vida e muito mais ainda está escrito.

Na conversa com o Gil hoje percebi que estou num momento de reconceituação e tenho que concordar que os meus 30 anos vai me trazer ponderação e será uma das melhores fases da minha vida por tudo que passei e fui construindo. Até mesmo a condição de mulher apaixonada me transforma, pois, o amor correspondido engorda, perde-se um pouco da preocupação com estética talvez por já ter conseguido o objeto de desejo (rs). Por isso terei de controlar a boca agora, trabalhar esses 8 kg a maise voltar a ser o que era antes, porque tanto Gil como a minha tia Célia dizem que depois dos trinta aparecem o peso e as doenças.

Ele me disse também que estou numa fase de remontar e que meus posts dizem e refletem bem isso. Feedback melhor eu não teria. Sim! Saio da condição de filha para tornar-me mãe (mesmo que a Elisa já tenha 7 anos de vida), saio da condição de menina para definitivamente pensar como mulher e não forçosamente e ilusoriamente fiz desde então, ao contrário feliz com a mudança e finalmente evoluo espiritualmente, passo a saber da minha verdade espiritual, curiosa e sedenta por tudo e toda energia divina, passando a aceitá-la e não renegando nada do que já foi, não tenho essde direito, respeito muito todas as pessoas que conheci e a sua maneira me ajudaram, simplismente chego a essa fase agradecendo por tudo.

PS: fotos da pizza em UM BLOG DE FOTOS ( http://camillafotoblog.blogspot.com/ )

4 comentários:

Pâmela Grassi disse...

Camilla,

Tem selo te esperando no meu blog :)

Beijos!

Camilla Dias disse...

obrigada Pâmela!
já fui buscar e já postei aqui.
beijos.

GIL ROSZA disse...

Você é uma escritora Camilla. É um carma, uma tatuagem, uma cicatriz. Mesmo que não queira mais escrever, mesmo que não encontre mais motivos para, o chamado das letras vai uivar pra você a vida inteira!

Camilla Dias disse...

acho que não consigo parar nem de falar nem de escrever, são carmas! rsrs...