apenas eu.

Minha foto
"Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm." (1 Coríntios 10:23a)

transeuntes.

domingo, 2 de agosto de 2009

Bailão da 3ª idade é lição de vida.

Ontem no baile da 3ª idade, aniversário da mãe de uma amiga, uma senhora de vestido azul celeste se aproxima da minha mesa e diz:
- Você está triste querida? Vamos dançar, anime-se! - e pegou na minha mão me puxando e me dando um solavanco.
Eu vi naqueles olhos a juventude que se foi mas que por algum motivo estava sendo ressucitada naquele salão de dança e respondi:
- Estou um pouco sim, já tem uns dias, é uma fossa básica, logo passa.
De repente ela exclamou com toda vivacidade de uma senhorinha de no máximo uns 68 anos:
- Troca comigo!
- O quê? - perguntei.
- A sua juventude com fossa e tudo pela minha velhice? - ela respondeu.
Olhei para ela meio sem graça com um sorriso amarelo no rosto que foi se desmanchando, quase que derretendo ao som daquela banda que tocava uma do Roberto Carlos e mesmo sabendo que não daria para fazer a troca por mais que eu quisesse, ela continou me olhando meio que esperando uma resposta concreta da minha parte.
Foi como se ali na frente dela tivesse uma maneira eficaz de ficar jovem de novo, não um poço da juventude mas eu em pessoa para lhe proporcionar o que ela talvez almejasse desde que viu as primeiras rugas aparecerem em seu rosto ou mesmo quando sentiu que estava perdendo a sua mobilidade física e possivelmente a virilidade de outros tempos.
Eu paralizada sem saber o que dizer ou pra onde correr no meio de todos aqueles casais de velhinhos felizes dançando dois pra lá dois pra cá, apenas a olhei com o mesmo sorriso amarelo que voltou em minha face e disse que não poderia trocar com ela mas que ela havia me feito enxergar por outro ângulo o que não estava conseguindo talvez por medo de ver no que de fato estou transformando a mim e a minha vida. Nós não estávamos ali por acaso, ela precisava me dizer aquilo e eu precisava escutar. Suas últimas palavras foram:
- Pense nisso minha jovem!
Piscou para mim, se virou sorrindo, deu de costas, uma olhadela pelo salão, puxou um senhorzinho de terno preto e chapéu estilo Noel Rosa e os dois saíram deslizando a passos leves por entre os casais. Preciso dizer mais alguma coisa?

4 comentários:

Rodrigo disse...

Nada a declarar!

Ines disse...

Por isso devemos aproveitar cada segundo de nossa juventude!

Indianara Nonzamo disse...

Esta sim deve viver a nostalgia do que poderia ter feito ou fazer se ainda fosse jovem ou tivesse sua juventude

Bom é melhor aproveitarmos cada momento de nossa vida...

Todos são momentos unicos de aprendizado

Camilla para os menos íntimos... disse...

nossa inês que frase mais clichê! rsrs!